Cientistas criam ‘tatuagem’ eletrônica capaz de coletar dados do corpo

Atividades cardíaca, muscular e cerebral são rastreadas pelo dispositivo.

Uma equipe de engenheiros e cientistas desenvolveu um dispositivo eletrônico autoadesivo, parecido com uma tatuagem e capaz de reunir informações sobre o coração, ondas cerebrais e atividade muscular. A novidade é tema da edição desta semana da revista Science.

O Sistema Eletrônico Epidérmico (EES, na sigla em inglês) foi criado por uma equipe de pesquisadores americanos, britânicos, chineses e cingapurianos. Na prática, o aparelho funciona como se estivesse “colado” à pele (veja a foto abaixo), já que não são visíveis costuras após o implante.

A grossura da “tatuagem” eletrônica é de 50 micrôns, a metade do diâmetro de um fio de cabelo. O aparelho precisa de pouca energia para funcionar e pode armazenar energia em pequenos “painéis” solares.

Ainda que outros aparelhos consigam fazer as mesmas medições que o EES, a vantagem do novo dispositivo está na ausência de cabos externos e na leveza dos componentes.

No futuro, os pesquisadores esperam conseguir incorporar fluidos ao dispositivo, para criar curativos e “peles” com capacidade de regeneração maior, como tratamento para queimaduras e doenças.Tatuagem eletrônica 1 (Foto: John A. Rogers / Science / AP Photo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *