Os 4 pecados capitais da gestão de estoque

A gestão de estoque é considerada uma das atividades mais importantes para alavancar o sucesso de um negócio. Mas por que algumas empresas conseguem gerenciar bem enquanto outras têm tantas dificuldades?

No post de hoje, selecionamos os erros mais comuns que alguns gestores cometem no controle de estoque ― que chegam a ser pecaminosos. Confira cada um com atenção e fuja deles para não ser “queimado em praça pública”!

1. Não fazer o inventário na gestão de estoque

Não ter um inventário do estoque representa negligência com a administração da empresa. Sem ele, não é possível saber quais e nem quantos produtos estão armazenados. O resultado é caótico: recursos financeiros mal administrados, danos materiais e outros prejuízos.

Faça um inventário de estoque para saber exatamente o que você tem e mantenha esse registro atualizado com entradas e saídas de mercadorias. Hoje, a tecnologia RFID (Radio-Frequency Identification) permite localizar qualquer objeto em tempo real com ajuda de chips. Assim, você otimiza o seu tempo e gera mais produtividade.

2. Gerenciar os processos por meios obsoletos e manuais

Gerenciar o estoque é uma atividade que não dá para fazer de forma braçal. Ao mesmo tempo, usar um software desatualizado ou máquinas ultrapassadas prejudica o trabalho de quem está operando e não produz bons resultados.

A saída para isso é identificar a necessidade de reposição de tudo o que está impedindo o desenvolvimento dos processos e investir em soluções inovadoras. Se você comparar custo e benefício, vai perceber que as vantagens de investir em melhorias superam as despesas.

3. Reter muitos produtos sem rotatividade

Um dos problemas causados pela má gestão de estoque é o excesso de produtos que não têm rotatividade. O excesso de estoque tem um custo de armazenamento maior e causa sérios prejuízos: produto parado é dinheiro parado.

Por isso, periodicamente, verifique relatórios do estoque e mantenha os produtos armazenados em nível de otimização. Ou seja, conheça a rotatividade de cada produto, identifique as possibilidades reais de venda e analise a saída e o tempo de permanência do que está armazenado.

4. Não dispor de um produto procurado

Tem coisa mais inconveniente do que um cliente procurar por um produto e não o encontrar? Certamente, ele vai ter que passar em outro lugar para comprar. E se ele acabar gostando do mix de produtos do concorrente e não voltar mais?

Percebeu como um problema desencadeia outros? Deixar faltar um produto que o consumidor já esteja acostumado a comprar pode demonstrar falta de compromisso. Isso não ocorre com uma gestão de estoque automatizada, pois ela permite uma visão bem abrangente do que precisa repor na prateleira.

Uma gestão de estoque eficiente precisa ser organizada, prática, dinâmica e otimizada, pronta para atender às necessidades da demanda e ajudar a empresa a impulsionar as vendas. As informações de estoque devem estar conectadas com o setor de vendas para reduzir riscos de uma negociação malsucedida.

Este post foi útil para você? Então compartilhe-o nas redes sociais para que os seus amigos também possam ter acesso a esse conhecimento!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *