[e-book] Desvendando a tecnologia RFID em Bibliotecas

A tecnologia RFID em bibliotecas – compreendendo suas funcionalidades na prática

A tecnologia RFID — Identificação por Radiofrequência — já vem causando um grande impacto positivo em bibliotecas em âmbito nacional. As chamadas etiquetas inteligentes possuem pequenos chips, uma antena, um transceptor e um transponder ou etiqueta de RF. O transceptor faz a leitura do sinal e transfere os dados para um dispositivo leitor, enquanto o transponder ou etiqueta contém o circuito de informações a ser transmitido. Já a antena repassa a informação para o leitor, que converte as ondas de rádio do RFID para informações digitais. Depois de convertidas, então, elas podem ser lidas e tratadas por um computador. Continuar lendo

O que é a tecnologia RFID e como ela pode ajudar sua empresa?

tecnologia rfid rtls logística empresa indústria varejo

Não há dúvida de que a tecnologia vem se tornando cada vez mais presente no ramo dos negócios. E isso proporciona, é claro, um aumento da competitividade. Hoje, no mercado, aquele que detém informações e acompanha todas as inovações sai na frente. E uma dessas inovações é a tecnologia RFID — acrônimo, do inglês, para Identificação por Radiofrequência — que está causando um grande impacto positivo na área logística.

As chamadas etiquetas inteligentes possuem pequenos chips que estão revolucionando vários setores do mercado, principalmente no controle de estoque e na localização de cargas. Quer entender como isso funciona? Então, continue lendo e confira tudo sobre essa tecnologia e como ela pode ajudar sua empresa! Continuar lendo

Universidade envia conteúdo baseado na localização dos alunos no campus

localização ibeacons campus universidade bluetooth

Já pensou estar se deslocando pela universidade e receber um cupom de desconto pelo celular para usar no horário do almoço em algum local dentro ou próximo à instituição? Na Inglaterra isso já é possível! A Liverpool John Moores University adotou iBeacons para enviar os alertas. A solução envia conteúdo baseado na localização dos alunos, enquanto se movem pelo campus.

O sistema da Universidade utiliza beacons Bluetooth Low Energy (BLE) com um aplicativo de smartphone, para dar aos alunos descontos em lojas ou cafés e também para disparar alertas. Os estudantes baixaram o aplicativo LJMYou (disponível para dispositivos Android e iOS) projetado para a escola e quando o telefone de um aluno entra no alcance de um beacon, o dispositivo captura o número ID transmitido por esse beacon. O aplicativo acessa o servidor LJMU, que entrega ofertas especiais de alimento ou bebida. Os alunos poderiam então apresentar o aplicativo para trabalhadores da cafeteria, a fim de resgatar essas ofertas específicas. Continuar lendo

APLICATIVO DA USP PERMITE ACESSO AO SISTEMA DE BIBLIOTECAS

O novo aplicativo permite ao usuário consultar os acervos de todas as Bibliotecas do SIBi, diretamente pelo celular. Agora, é possível fazer uma busca pelo ISBN utilizando a câmera do celular para ler o código de barras, obter a localização de uma publicação, criar listas de referências ou desejos, localizar as bibliotecas da USP e verificar seu horário de funcionamento, telefones e e-mails para contato. Outras funcionalidades como a de fazer reservas e consultas de empréstimos estão sendo desenvolvidas. Continuar lendo

BIBLIOTECA VIRTUAL: USP DISPONIBILIZA MAIS DE 3.000 LIVROS PARA DOWNLOAD GRATUITO

USP tem um site que disponibiliza 3.000 livros para download. Ao entrar no www.brasiliana.usp.br o internauta encontra livros raros, documentos históricos, manuscritos e imagens que são parte do acervo da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, doada à universidade.

É possível pesquisar, visualizar e fazer o download de mais de 3.000 títulos de seu acervo, permanece à disposição de toda a comunidade, de maneira democrática e universal, acessível por meio de ferramenta de busca disponível no site da BBM. Continuar lendo

AINDA NÃO E-BOOKS! ESTUDANTES AINDA PREFEREM OS LIVROS FÍSICOS

Uma pesquisa com mais de 300 estudantes universitários nos EUA, no Japão, na Alemanha e na Eslováquia constatou que a maioria prefere os livros físicos aos e-books. Especialmente para leituras mais “sérias”. Consultados sobre o suporte em que preferem ler, incluindo livro impresso, celular, tablet, e-reader e computador, 92% elegeram o papel por conseguirem se concentrar mais no texto impresso do que nas versões digitais.

O estudo é apresentado no livro “Words onscreen: The fate of reading in a digital world” (em tradução literal, “Palavras na tela: O destino da leitura num mundo digital”), da professora de Linguística da American University Naomi Baron. Em entrevista à revista americana “The New Republic”, a pesquisadora destacou duas questões por trás do resultado, que chama a atenção pelo fato de os jovens, acostumados a fazer tantas coisas nas telas, mostrarem-se resistentes aos e-books: primeiro, os estudantes disseram que se dispersam, são atraídos por outros estímulos; depois, eles relataram que sentem os olhos cansados, dor de cabeça e outros desconfortos físicos ao ler por mais tempo num tablet ou computador. Continuar lendo

Poá, município do Alto Tietê é a única cidade a ter uma única biblioteca em braile.

 

  Poá é o único município do Alto Tietê (SP) que possui uma biblioteca exclusiva para deficientes visuais. Desde 2010 o município disponibiliza uma biblioteca com publicações 100% em braile. A biblioteca Napes tem um acervo de livros para crianças, jovens e adultos com conteúdo literário e também com livros didáticos de matemática, português e iniciação para informática. Atualmente são mais de 850 títulos. A biblioteca atende deficientes visuais de todo Alto Tietê. Mogi das Cruzes, Suzano e Ferraz de Vasconcelos não possuem uma biblioteca específica para cegos e deficientes visuais, porém dispõem de algumas obras em braille nas bibliotecas municipais já existentes. De acordo com o Censo Demográfico de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), só na região metropolitana há 81.220 pessoas com deficiência visual. Só em Poá, são 185. Luzia Camargos da Silva é de Itaquaquecetuba e frequenta a biblioteca de Poá desde que a unidade foi inaugurada. Ela, o marido, o filho, de 30 anos, e a neta, de 16, são deficientes visuais desde que nasceram. Ela conta que a família toda gosta da leitura e aprova o benefício. “A biblioteca é muito boa, está riquíssima em seu acervo. Somos freqüentadores assíduos e testemunhas de que a biblioteca funciona e faz um trabalho essencial à população”, diz ela que antes precisava ir até São Bernardo do Campo para fazer empréstimos de livros em braille. “Tenho certeza que ela veio para facilitar para todos, sobretudo para mim e minha família. A gente precisava ir para longe e fazer um grande sacrifício para fazer uma leitura”, completa. O acervo conta com obras da literatura infantil, literatura brasileira, auto-ajuda, bíblia, atlas, livros didáticos, além de DVDs – livros digital. A Prefeitura de Poá informou que a ideia da biblioteca em braile surgiu para atender alunos e famílias com deficiência visual já que até então não havia este tipo de serviço para a população. Outra causa é dar andamento a um trabalho de inclusão que é feito por meio da Secretaria de Educação, setor do Núcleo de Apoio Pedagógico Especializado (NAPES).  “É um serviço essencial, que atende todo o Alto Tietê. Temos orgulho em ter uma biblioteca com um acervo em braile, pois a leitura não deve ter barreiras”, disse o secretário de Educação de Poá, Carlos Humberto Martins. Qualquer pessoa pode fazer o empréstimo dos livros na Biblioteca Napes em Poá. Basta se dirigir à Secretaria Municipal de Educação, portando RG e comprovante de endereço para preenchimento de uma ficha de cadastro. A ficha de inscrição permite a todos utilizarem o serviço de empréstimo de livros sem restrições de quantidades. A biblioteca funciona das 9h às 15h, de segunda-feira a sexta-feira. O endereço é Rua Doutor Luiz Pereira Barreto, nº 662, Vila Julia Poá. Além da Biblioteca Napes, existem cerca de 20 exemplares em braile na Biblioteca Municipal, localizada no Centro Cultural Casa da Estação.  O atendimento é de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. O endereço é Travessa Miguel Saad, s/n, Centro. Alto Tietê O site  G1 fez um levantamento nos dez municípios do Alto Tietê. Poá é a única cidade que possui uma biblioteca com um acervo 100% em braille. Algumas bibliotecas da região também possuem acervo adaptado a deficientes visuais e cegos na região do Alto Tietê: Mogi das Cruzes, Suzano e Ferraz de Vasconcelos. Em Mogi das Cruzes, na Biblioteca Municipal Benedicto Sérvulo de Sant´Anna, há 71 livros e cinco audiobooks. Destes, por exemplo, há livros da série Harry Potter e também da série Para Gostar de Ler. Há ainda, um livro infantil, que presa pela parte plástica. Isto é, não só o texto está em braile. Os desenhos também têm o contorno em alto relevo, para a percepção tática do leitor. A Biblioteca Municipal ‘Benedicto Sérvulo de Sant´Anna’ está localizada no Centro Histórico do município. O endereço é Rua Coronel Souza Franco n.º 993, Centro.  O atendimento é de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 18h. Suzano não possui um espaço específico de leitura para portadores de deficiência visual. Porém, a biblioteca do Centro de Educação e Cultura ‘Francico Carlos Moriconi’ dispõe de acervo em braille, com cerca de 150 exemplares, produzido pelo Instituto Dorina Nowill, que visa facilitar a inclusão da pessoa que possui esse tipo de deficiência por meio de produtos e serviços especializados. A Biblioteca Municipal de Suzano fica na Rua Benjamin Constant, 682, no Centro. O atendimento é feito de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 17h. Já a cidade de Ferraz de Vasconcelos tem cerca de 200 livros em braille na Biblioteca Central José Andere e também nas salas de 22 escolas que contam com o programa Atendimento Educacional Especializado (AEE). A biblioteca de Ferraz funciona das 8h às 17h e fica na Rua Sudi Menucci, 203, Centro. Outras cidades da região como Arujá e Itaquaquecetuba informaram ao G1 que não possuem uma biblioteca em braille. Já Guararema, Santa Isabel e Biritiba-Mirim não responderam se têm livros adaptados em braille voltado aos cegos e deficientes visuais.   fonte/texto: G1  Continuar lendo

TECNOLOGIA: OS BIBLIOTECÁRIOS E SUAS NOVAS FUNÇÕES NO MUNDO TECNOLÓGICO

O que faz um bibliotecário?

Essa pergunta ainda é feita por várias pessoas que pouco conhecem essa profissão. Nesse infográfico, feita pela uma universidade da Flórida, mostra não somente as funções do profissional, mas também, mostra as a evolução dessas funções. No Brasil essa realidade ainda está longe e vem sendo desenvolvida aos poucos.

O infográfico original é do curso de biblioteconomia da Universidade de Sul da California. 

Fonte: bsf.org

INOVADOR: COBRADOR CRIA UMA BIBLIOTECA NO ÔNIBUS

O interesse pela leitura do cobrador de ônibus Antônio da Conceição Ferreira, de 42 anos, começou em sua cidade natal Santa Luzia do Tide, no Maranhão. Desde pequeno, gostava de ler os jornais e folhetos que o pai levava para casa como embrulho de objetos. Morador de Sobradinho II (DF), há 11 anos ele transformou o gosto pela literatura no projeto Cultura no Ônibus, que empresta livros para passageiros da linha em que trabalha.

 “Dentro do ônibus não há atrativos para os passageiros, então vejo o livro forma de distração e de adquirir cultura.” – Disse Antônio. Continuar lendo

OS 10 MANDAMENTOS DA ÉTICA DO LIVRO

Quem empresta um livro, está dividindo o cohnecimento com um outro aluém. Um livro deve ser lido e não ficar guardado em um canto qualquer, mas só quem é leitor sabe o quanto é difícil emprestar uma obra literária. O cíumes e a insegurança fala mais alto. Muitos não devolvem e quando devolvem, ele chega rasurado.

Confira os 10 mandamentos da Ética do Livro Emprestado (válidos também para CDs, DVDs, HQs, revistas e outros).

1 — Se pegou emprestado, devolva. E rápido. Demorar para devolver é o mesmo que não devolver. Continuar lendo