5 exemplos de como o RFID está presente no nosso dia a dia

O uso da tecnologia RFID (Radio Frequency Identification) tem sido cada vez mais comum no dia a dia de empresas e pessoas. Informações são trocadas com os mais variados sistemas sem qualquer interferência humana. E a chave para isso tem sido a RFID.

Imagine utilizar etiquetas inteligentes  as tags — para identificar objetos, pedágios, o controle de acesso a edifícios e a estacionamentos e, até mesmo, para identificar gados e outros animais. Fantástico, não?

Ao contrário do código de barras, que precisa ser lido por um scanner e necessariamente ter direcionamento ótico com cada código, a tecnologia RFID utiliza ondas de rádio para transmitir as informações guardadas na memória. Ou seja, os dados são transmitidos da antena a um leitor, via ondas de rádio, podendo haver leitura em massa onde são lidos vários chips ao mesmo tempo, chegando a um computador para serem processados e enviados para um sistema para o qual possam ser úteis.

Tudo automaticamente. Dependendo da frequência, o leitor pode alcançar as mais variadas distâncias  o que permite uma enorme agilidade de leitura de informações.

Por isso, vejamos 5 exemplos do uso do RFID no dia a dia. Acompanhe!

1. Pagamento via celular

A tecnologia RFID neste caso é NFC (near field communication) que é uma solução de curto alcance, que permite que informações possam ser enviadas através de uma frequência de rádio. Atualmente, as etiquetas RFID são utilizadas com maior frequência em lojas e supermercados, na identificação de produtos, mas elas têm inúmeras outras utilidades, como, por exemplo, a comunicação entre dispositivos móveis para pagamento.

A tecnologia RFID funciona sem fios e possibilita que haja uma comunicação entre dois aparelhos, além de permitir que vários tipos de transações possam ser realizadas de forma segura.

Ou seja, a ideia de ter que andar com cartões de crédito ou dinheiro está com os dias contados. Com o RFID no dia a dia, é possível realizar qualquer tipo de transação via radiofrequência através de dispositivos móveis.

Por exemplo, um smartphone que dispõe de um leitor embutido pode realizar um pagamento em um caixa de supermercado enviando dados para um outro aparelho do caixa, que decodificaria o sinal enviado, recebendo informações para processar o pagamento. Ao aproximar os dois aparelhos, o pagamento seria feito automaticamente. Simples, fácil e rápido.

2. Pagamento de pedágio

Digamos que você tenha saído de casa desprevenido, sem nenhum trocado no bolso e, no seu percurso, há um pedágio. Complicado, não? Situações como essas causam transtornos nas praças de pedágios, levando a filas e aumentando o tempo de viagem de muitas pessoas.

Mas, com o uso da tecnologia RFID, é possível eliminar de vez as filas em pedágios. É colocada uma etiqueta (ou cartão de identificação) na parte de dentro do para-brisas do carro, geralmente atrás do espelho retrovisor, que contém todas as informações básicas, como, por exemplo, um número de identificação.

Assim, toda vez que o veículo passar por uma praça de pedágio, uma antena, ou leitores eletrônicos posicionados sobre a faixa de cobrança de pedágio, emitem frequências de rádio que se comunicam com a etiqueta instala no carro. Assim, os dois dispositivos interagem e completam a transação do pedágio. Sem qualquer contato físico, a uma distância que varia de 6 a 10m e da forma mais rápida possível.

3. Estacionamento de shoppings

A tecnologia RFID vem sendo amplamente utilizada para a liberação das cancelas de estacionamento ou mesmo para autorizar transações em estacionamentos que não têm cancelas.

O funcionamento é similar ao dos pedágios. Após instalar as etiquetas no veículo, usa-se o sistema de radiofrequência para liberar automaticamente as cancelas, sem a necessidade de sair do carro para validar tickets de estacionamento, por exemplo.

4. Aplicações médicas

Os dispositivos RFID podem ser em formato de pulseiras descartáveis, contendo registros completos, que incluem desde a identidade e o tipo sanguíneo, até outros detalhes que facilitam o tratamento do paciente. Isso significa rapidez no atendimento e agilidade no tratamento.

Com a utilização das etiquetas RFID em aplicações médicas, é possível reduzir significativamente a necessidade de testes de grupo sanguíneo, alergias ou doenças crônicas, além de fornecer, com agilidade, todo o histórico do paciente referente a outras intervenções médicas realizadas e ao uso de medicamentos, reduzindo erros e aumentando a segurança, e a velocidade de atendimento dentro do ambiente hospitalar, já que o prontuário do paciente é acessado de forma única e inequívoca.

5. Chip sub-cutâneo

Outra forma de utilização para o RFID é nos chips sub-cutâneos que podem ser utilizados para abrir portas, realizar pagamentos, dar partida em carros, guardar informações médicas e até mesmo realizar login em sistemas.

Esses chips são bem pequenos, possuem o tamanho aproximado de um grão de arroz e são implantados por meio de uma agulha específica. A vantagem desses chips é que sua configuração pode ser programada pelo próprio usuário de acordo com suas necessidades e usos.

Agora que você já está por dentro das principais aplicações da tecnologia RFID no dia a dia, assine nossa newsletter e receba, no seu e-mail, nossos conteúdos. Vamos lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *